sábado, 20 de junho de 2015

Matéria da ISTO É INDEPENDENTE * Um golpe perpetrado recentemente contra os fundos de pensão Postalis e Petros começa a ser desvendado pela Polícia Federal.Para desviar os recursos dos fundos de pensão, os acusados, segundo a investigação da PF, montaram o grupo Galileo Educacional a fim de assumir o comando das Universidades Gama Filho e UniverCidade, ambas no Rio de Janeiro, que passavam por dificuldades financeiras.

As custas dos professores e funcionários administrativos  os gestores da GALILEO EDUCACIONAL usaram-nos para tornarem-se triliardários (nomenclatura nova - é... vamos criar ...) 
Não pagaram aos professores e funcionários administrativos e se acham os imperadores do mundo. Mas, não imaginaram que são simples "seres humanos" que possuem altos e baixos igual a qualquer um, e  o mal que cometeram vai e volta igual a um bumerangue, com uma força descomunal. 

Suspeitávamos, mas não tínhamos provas. 
 Marcio André Mendes Costa
A VIDA É BELA!!!
 Quem capitaneou o esquema foi o advogado Marcio André Mendes Costa, responsável por criar o grupo Galileo e montar a engenharia para drenar recursos dos fundos de pensão – tudo feito com aparência de legalidade e auxílio de conhecidos executivos do mercado financeiro. Em pouco tempo, Mendes Costa conseguiu acessar os cofres do Postalis e da Petros, assumiu o controle da Universidade Gama Filho e da UniverCidade, instituições tradicionais do Rio de Janeiro.

 Nas CPIS  nunca comparecia. Por que será? 
De qualquer forma teremos noticias de outros gestores que estavam antes da GALILEO. Mas, por enquanto não nos foi apresentado pela mídia. Vamos aguardar. Vejam as fotos abaixo.

Obs. Todos os assuntos, matérias e fotos estão na mídia. 
 

Recordar é viver!!!  Foi muita luta e tristezas tanto para os professores quanto para os alunos! Não esqueçamos também dos funcionários administrativos que recebiam ordens...Algumas fotos do blog...

CLIQUEM EM CIMA DAS FOTOS PARA AUMENTAR.
















 Mas, como a verdade sempre aparece, um dia teremos o "prazer" de vê-los atrás das grades.

ABAIXO MATÉRIA RETIRADA DO "ISTO É INDEPENDENTE"

Propina de R$ 30 milhões para Renan

Inquérito da PF revela desvio de R$ 100 milhões nos fundos de pensão Postalis e Petros. Delator acusa o presidente do Congresso de receber quantia milionária. Os parlamentares petistas Lindbergh Farias e Luiz Sérgio teriam ficado com R$ 10 milhões cada


Um golpe perpetrado recentemente contra os fundos de pensão Postalis e Petros começa a ser desvendado pela Polícia Federal. Inquérito sigiloso obtido com exclusividade por ISTOÉ traz os detalhes de um esquema que desviou R$ 100 milhões dos cofres da previdência dos funcionários dos Correios e da Petrobras. Parte do dinheiro, segundo a PF, pode ter irrigado as contas bancárias do presidente do Congresso, Renan Calheiros (PMDB-AL), do senador Lindbergh Farias (PT-RJ) e do deputado federal e ex-ministro de Dilma, Luiz Sérgio (PT-RJ), atualmente relator da CPI do Petrolão. Prestes a ser enviado ao Supremo Tribunal Federal, devido à citação de autoridades com foro especial, o inquérito traz depoimento de um funcionário do grupo Galileo Educacional, empresa criada pelo grupo criminoso para escoar os recursos dos fundos. Segundo o delator identificado como Reinaldo Souza da Silva, o senador Renan Calheiros teria embolsado R$ 30 milhões da quantia paga, Lindbergh R$ 10 milhões e o deputado Luiz Sérgio, o mesmo valor.


abrwe.jpg

Para desviar os recursos dos fundos de pensão, os acusados, segundo a investigação da PF, montaram o grupo Galileo Educacional a fim de assumir o comando das Universidades Gama Filho e UniverCidade, ambas no Rio de Janeiro, que passavam por dificuldades financeiras. Para fazer dinheiro, o grupo Galileo lançou debêntures que foram adquiridas pelo Postalis e pelo Petros. De acordo com a PF, a operação foi feita apenas por influência política e sem nenhum critério técnico. 

O dinheiro, em vez de ser aplicado nas universidades, teria sido desviado para um emaranhado de empresas e depois, segundo o delator, remetido a Renan, Lindbergh e Luiz Sérgio. Em pouco menos de um ano, o MEC descredenciou boa parte dos cursos de ambas universidades e os fundos arcaram com o prejuízo.

Nas seis páginas de denúncia, o delator cita, além dos parlamentares, os supostos operadores desses políticos e de seus partidos, imbricados numa rede de empresas de fachada que teriam servido para lavar os recursos dos fundos de pensão. Até agora, PF e Ministério Público já ouviram mais de 20 pessoas, pediram o indiciamento de algumas delas e chegaram a cogitar prisões cautelares e a apreensão de passaportes. “Os envolvidos montaram todo um simulacro com aparato administrativo, financeiro e jurídico para angariar recursos em uma estrutura que não tinha qualquer comprometimento com a proposta educacional”, afirma o delegado Lorenzo Pompilio, que comanda o inquérito. Em relatório encaminhado ao MPF, ele fala em “ciclo criminoso”, considerando a incursão dos acusados nos crimes de peculato, formação de quadrilha e estelionato. Segundo o delegado, as atas de reuniões, assembléias, contratos e outros registros financeiros indicam “ações delineadas e orquestradas a pretexto de desenvolvimento de atividade acadêmica”, mas que tinham o único intuito “captar recursos que desapareceram”.
01.jpg

Sem poder avançar na apuração do núcleo político, além do que já foi descoberto, evitando assim que o processo seja enviado prematuramente ao STF, os investigadores dissecaram a ação de seus operadores. 

Quem capitaneou o esquema foi o advogado Marcio André Mendes Costa, responsável por criar o grupo Galileo e montar a engenharia para drenar recursos dos fundos de pensão – tudo feito com aparência de legalidade e auxílio de conhecidos executivos do mercado financeiro. Em pouco tempo, Mendes Costa conseguiu acessar os cofres do Postalis e da Petros, assumiu o controle da Universidade Gama Filho e da UniverCidade, instituições tradicionais do Rio de Janeiro.

**********************************************************************************
POSTAGEM DE 11 DE MAIO DE 2012 - Nesse tempo o Dr. Marcio estava no facebook, agora não mais... SUMIU!!!  - Cliquem aqui

POSTAGEM DE 18 DE OUTUBRO DE 2012 - Lewandowski, Marcio Mendes, Ronald Levinsohn, Toffoli -Cliquem aqui

CPI - POSTAGEM DE 17 DE ABRIL DE 2014 - CPI pediu prisão  o Dr. Marcio... por apropriação indébita e formação de quadrilha - Cliquem aqui

O dr. Marcio nunca comparecia às CPIS - por que será?? - Cliquem aqui

Vejam o caos que se instaurou nas IES com a entrada desses marginais - cliquem aqui - esta é uma das várias postagens que existe no blog - é só pesquisar por data.

**********************************************************************************
Toda essa influência não surgiu do nada. Ex-conselheiro da OAB-RJ, o advogado circula com desenvoltura no meio político. Advoga para Furnas e trabalha há anos para a família do ex-senador Wellington Salgado, do PMDB mineiro, antigo aliado de Renan Calheiros. Também é parceiro do peemedebista Hélio Costa. Foi o ex-ministro das Comunicações quem indicou Adilson Florêncio da Costa como diretor financeiro da Postalis. Ao sair, Florêncio da Costa deixou em seu lugar Ricardo Oliveira Azevedo, outro apadrinhado de Renan. Azevedo levou ao comitê financeiro do fundo, em abril de 2011, a proposta de investimento no grupo Galileo. Em seu relatório, ele avalizou o projeto e o negócio acabou aprovado por todos os integrantes. Uma vez concluído o negócio, Florêncio da Costa tornou-se conselheiro da Galileo. Aqui está o que a Polícia Federal definiu como aprovação por influência política, sem critério técnico.

02.jpg
O dinheiro do Postalis, cerca de R$ 80 milhões, foi usado para adquirir 75% do total de debêntures emitidas pelo grupo. O restante foi comprado pela Petros e pelo Banco Mercantil do Brasil, responsável por estruturar a operação. Segundo depoimentos, dentro do banco o negócio foi encaminhado pelo irmão de Mendes Costa, Marcus Vinícius, acionista minoritário do BMB. As debêntures do Galileo tiveram como lastro as mensalidades do curso de medicina da Universidade Gama Filho, que naquele momento já passava por dificuldades financeiras e risco de descredenciamento pelo Ministério da Educação. Comprá-las era uma decisão temerária e só uma gestão política poderia garantir a aplicação milionária num negócio pra lá de suspeito.

Mas os dirigentes dos fundos desconsideraram o risco, assim como se comportaram o banco BNY Mellon, contratado pelo Postalis como administrador dos investimentos, e a consultoria Planner Trustee, agente fiduciária da operação. Ao todo, o Postalis investiu R$ 81,4 milhões em debêntures. Para receber os recursos, Márcio Costa criou a empresa Galileo Gestora de Recebíveis S.A, também controlada por ele. Como se as garantias das mensalidades do curso de medicina já fossem frágeis, o advogado ainda decidiu trocá-las pelas de engenharia mecânica e elétrica – sem avisar ao Postalis. O escândalo veio à tona em 2012 e foi até alvo de uma CPI na Assembléia Legislativa do Rio, mas as investigações foram abafadas. O relatório final da CPI responsabilizou Márcio Costa, sem considerar suas relações políticas e societárias.
03.jpg

Em depoimento à PF, a advogada Beatris Jardim, nomeada por Márcio Costa como diretora financeira, revelou novos nomes que participaram do esquema. Ela disse, quando assumiu o cargo, que já não havia mais o dinheiro das debêntures no caixa. E apontou como verdadeira tesoureira do grupo Aline Cristina Duarte Gonçalves, pessoa de confiança de Costa. “Quando eu perguntava sobre o dinheiro, eles me respondiam com evasivas”, disse Jardim, que já foi indiciada. Outro diretor, Samuel Dionizio entregou à PF extratos bancários que mostram um depósito de pouco mais de R$ 50 milhões do Postalis numa conta vinculada ao recebimento das mensalidades dos alunos. O dinheiro depois foi transferido para outra conta da empresa administradora, sem passar na conta principal da Galileo. Em seguida, os valores “foram pulverizados em uma série de operações com destinação que não pode ser identificada de forma mais clara”. A PF e o Ministério Público, que também atua na investigação, desconfiam que a dinheirama circulou pelas contas das empresas dos sócios do grupo Galileo, depois por outras empresas fantasmas e até doleiros, antes de chegar aos políticos citados.

Uma das empresas que recebeu os recursos pertence, segundo a PF, ao empresário Milton de Oliveira Lyra Filho, conhecido como Miltinho, outro operador importante do esquema. Dono de várias companhias, a maioria de fachada, Lyra Filho é apontado em Brasília como o lobista de Renan. Ligado ao PTB e ao PMDB, o nome de Lyra surgiu na Polícia Federal em 2011 no âmbito da Operação Voucher quando uma empresa sua foi identificada como beneficiária de recursos repassados pelo Ministério do Turismo num convênio com o Instituto Brasileiro de Desenvolvimento e Infraestrutura Sustentável (Ibrasi), uma espécie de ONG. Um ano antes, com aval do PMDB, Miltinho conseguiu que dois cunhados seus comprassem o edifício-sede da Postalis e depois o revendessem, embolsando no negócio mais de R$ 1,2 milhão. Depois da venda, o Postalis passou a pagar aluguel de R$ 139 mil para continuar no mesmo lugar.

A relação com os peemedebistas aproximou Miltinho de Renan Calheiros e os dois passaram a jantar em restaurantes de Brasília. Elementos da investigação da PF sugerem que, por influência do presidente do Congresso, o lobista entrou de cabeça no negócio da Galileo. Figurou primeiramente com 5% no quadro societário do grupo, por meio de sua empresa IDTV Tecnologia e Comunicação. Depois, trocou a IDTV pela Euro America Participações, que funciona no mesmo endereço numa sala no subsolo de uma galeria comercial do Lago Sul em Brasília. Para a Polícia Federal, o fato de Miltinho estar envolvido no esquema é mais um forte indício – além do depoimento do funcionário da Galileo – da participação de Renan Calheiros no esquema. A PF agora quer quebrar o sigilo financeiro dessas companhias. Na Euro América, Miltinho tem como sócio o investidor Arthur Pinheiro Machado. Ele é investigado pelo Ministério da Previdência pois estaria por trás de falcatruas envolvendo R$ 300 milhões do próprio Postalis.

04.jpg

Além de Miltinho, o lobista de Renan, a PF desconfia que o dinheiro do Postalis possa ter ido parar nas contas das empresas de Ricardo Magro, dono da Refinaria de Manguinhos. Ele aparece como diretor do grupo Galileo, apesar de não possuir qualquer afinidade com a área educacional. Magro sempre atuou no setor de combustíveis e responde processo por sonegação de impostos.
Se a presença de Ricardo Magro nos quadros de um grupo educacional chama a atenção da PF, tampouco se pode desprezar a relação com Marcelo Sereno. Ex-assessor do ex-ministro José Dirceu e figura de proa do PT carioca com reconhecida atuação nos fundos de pensão, Sereno candidatou-se a deputado federal no ano passado, mas não foi eleito. É atribuída a ele a estratégia de arrecadação da campanha de Lindbergh Farias para o governo do Estado, que também fracassou. Na mesma chapa, o único que teve sucesso foi o deputado Luiz Sérgio, que saiu fortalecido com a reeleição e assumiu papel importante na Câmara como relator da CPI da Petrobras. Sua função agora é evitar constrangimentos a Lindberg, que já é alvo de investigação no Supremo por suposto envolvimento no Petrolão. Todos são suspeitos de usar dinheiro desviado de contratos da Petrobras para financiar campanhas políticas. Com as descobertas do caso Galileo, MPF e PF acreditam que o mesmo esquema possa ter ocorrido nos desvios do Postalis, da Petros e de outros fundos de pensão.
Claudio Dantas Sequeira (claudiodantas@istoe.com.br)


Fotos: Adriano Machado/Ag. Istoé, Pedro Ladeira/Folha Press, Ueslei Marcelino/Folha Press; Pedro Teixeira/O Globo 




MATÉRIA RETIRADA DO "ISTO É INDEPENDENTE" * CLIQUEM AQUI



MENSAGEM ANTERIOR - A GALILEO EDUCACIONAL REQUEREU NA JUSTIÇA SUA RECUPERAÇÃO JUDICIAL * CLIQUEM AQUI

15 comentários:

  1. Professor brasileiro, a matéria quando afirma textualmente que os dois petistas receberam 10 milhões e que o Renam recebeu 30 milhões, destacando o rosto dos dois petistas, com os valores subscrito, e deixa de subscrever no rosto do Renam Calheiros os 30 milhões, se revela uma matéria tendenciosa. Não é isso que queremos da nossa imprensa, da nossa PF e da nossa justiça. Queremos imparcialidade e verdade.

    É muito fácil operadores mafiosos e especializados em maracutaias envolver políticos e criar instabilidade no país.

    O crime, inclusive político, se inicia quando o político, seja qual for, aceita tanto dinheiro sem exigir comprovação da sua licitude. Mas é preciso provas! Tudo isto passa pela sujeira chamada financiamento privado das campanhas políticas. Com o financiamento privado, autorizado por Lei, fica muito difícil distinguir propina de financiamento. Além disso, o financiamento privado desfigura e caricaturiza a democracia.

    Mas, e o Pastor Adenor Gonçalves, o Ronald,...que parte fazem dessa confusão. Esta meio nebulosa esta matéria.

    Me lembro que a Galileo anunciou em 2012 ou 2013 possuir entre outros imóveis mais de um milhão de M², em terrenos, no valor de 400 milhões. Se vão vender agora 500 mil m² por 800 milhões, fizeram um "negócio da China". Vão quitar a dívida, talvez toda, não sei ao certo, com a valorização de apenas a metade daquilo que possuem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tens razão amigo.

      Mas, tem muito mais. Por isso coloquei as fotos acima. Por enquanto o que temos de provas é o que foi noticiado, mas vamos aguardar...

      Abraço.

      Excluir
    2. Professor Brasileiro, apenas para complementar, vão quitar a dívida apenas com a valorização da metade dos um milhão m² de terrenos. Tem os outros 900 milhões em imóveis anunciados na época.

      Quanto dinheiro ganharam no período enquanto o professor e outros funcionários sofreram? Isto é coisa de máfia internacional. André Mendes deve ser "peixinho".

      Os juizinhos, nos processos por dano ajuizados estão concedendo valores irrisórios sob alegação das dificuldades da empresa.

      Tem mais, tem uma onda de escândalos no Brasil, os quais estão sendo vinculados ao governo federal, numa tentativa de golpe contra a democracia. No caso da Galileo, seus dirigentes são todos desafetos dos partidos de esquerda e do governo - cita algum nome dessa turma que apoia o governo petista - os críticos do PT continuam todos na instituição, foram preservados na demissão. Seus dirigentes são, declaradamente, de direita vinculados aos meios de comunicação e a oposição. Me explica então por que na matéria aparece em destaque dois petistas.

      O Renam Calheiros, depois dessa e outras pressões, resolveu bater no governo de todas as formas. Além disso, no plano de recuperação judicial, há um comentário gravíssimo quando se comenta a possibilidade de recredenciamento da instituição. Esta explicito o comentário de que se pretende por na negociação os processos abertos pela Galileo contra, por exemplo, o ex ministro da educação Aloísio Mercadante.

      Será que a PF esta realmente investigando? Os depoimentos do funcionário da Galileo, será que é verdadeiro? Como foi o depoimento dos grandões? A matéria nada cita....

      Excluir
    3. Olá amigo!

      Toda publicação tem um fundo de verdade, ou, pelo menos algo vai explodir.

      Portanto, esperemos e vamos receber muitas bombas por aí... É só aguardar.

      Amigo! Tudo é possível no reino do poder econômico.

      Sabendo algo mais estarei postando, pois sempre tenho informações que me chegam por e-mail ou pelo facebook.

      Abração e grato por participar.

      Excluir
  2. De quem é mesmo essa revistinha chamada "Isto é Independente"? Se a Galileo recebeu os recursos ( 100 milhões) via emissão de debêntures não existiu desvio dos fundos de pensão. Se existiu desvio foi na própria Galileo. OS FUNDOS DE PENSÃO, POSTALIS E PETROS, SÃO CREDORES. É boato da direita presente em massa na instituição. Tenho dúvidas se a PF deixou mesmo vazar estas informações. Estão tentando associar o governo Federal até nas lambanças privadas. Difícil acreditar que a PF não conseguiu identificar o destino final dos recursos. Muito estranha esta matéria. NÃO ACREDITO QUE VC, PROFESSOR BRASILEIRO, DEU CRÉDITO A ESTA MATÉRIA.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo.

      Sempre digo. O inimigo não está aqui está lá fora...

      Tem outros locais que houve esta publicação, é só pesquisar...

      Aliás já é publico e notório.

      POR ACASO TEM ALGO MAIS AMIGO? ACHO QUE SIM... INFORME-NOS. VOCÊ SABE.

      Quando o poder econômico está em jogo tudo é possível.

      Abração e ... bem-vindo ao blog!

      Excluir
  3. Mestre, tem alguma novidade sobre o julgamento do CNJ referente à grilagem de terras na Bahia?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá amigo.

      Estamos acompanhando e tendo publicarei.

      Abraço.

      Excluir
  4. Professor Brasileiro,

    Francamente não entendi o comentário do anônimo 23/06/2015 0:27, que questiona a idoneidade da revista Isto é. Será que tem algo que nós docentes não sabemos?

    Por que não devemos acreditar no que falou na revista? Só porque atinge um partido? Isso não é razão suficiente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É amigo...

      Parece mais um gestor.

      De qualquer forma é uma opinião e sempre é bom saber que tem sempre alguém insatisfeito por aí...

      Bem-vindo as discussões...

      Excluir
    2. Não Professor Brasileiro, não sou gestor e não vejo motivo para esta referência mas se a Isto É deu este tratamento à matéria, destacando a foto com os dois petistas e esquecendo o Renan Calheiros que, supostamente, teria recebido a quantia maior, agiu sim de forma tendenciosa. A própria matéria, internamente, afirma que isto se baseia no depoimento de um funcionário da Galileo mas que não foi confirmado já que a PF não conseguiu rastrear o dinheiro. Se PF tivesse conseguido muitos de nós já teríamos recebido. Tem muita fofoca midiática em tudo isso. Quero ver a Isto É oferecer o mesmo tratamento à "Operação Zelotes" e ao escândalo do HSBC. Vou tentar ler a matéria no site da Isto É. Uma coisa é certa, a Isto É pode ser independente não sei do quê mas imparcial jamais.

      Excluir
    3. Ok amigo. Vamos acompanhar os acontecimentos.

      Só o tempo desvendará a verdade, ou ... ficaremos sem saber...

      É assim no nosso mundo.

      Excluir
  5. O mais curioso é que estas denúncias nunca são conclusivas. Fica sempre alguma coisa para ser apurado e confirmado. O Deputado Ibsen Pinheiro foi acusado e condenado pela veja, teve seu mandato cassado no Congresso Nacional, ficou inelegível, depois foi inocentado no judiciário e a cerca de 10 anos a Veja fez uma reportagem reconhecendo que tinha "errado". Não confio mais em nenhum veículo da imprensa brasileira. Mas o mais grave foi o motivo que levou a revista Veja a reconhecer o seu "erro". Procurem saber. No embate político recente estamos cheios de exemplos de pixotadas da "mídia" . A mídia não é Deus! Aliás se tiver semelhança com alguma entidade é com o "capeta".

    ResponderExcluir
  6. Após analisar atentamente a matéria da Isto É e o plano de recuperação cheguei às seguintes conclusões:

    1. Pela matéria o Sr.Márcio André teria conseguido a operação nos fundos de pensão mediante pagamento de comissão de 40% a três políticos. O Sr. Márcio precisaria ser muito burro, idiota, quadrúpede, ingênuo, lesado,.. ara aceitar uma operação dessas.

    2. A PF não conseguiu rastrear o dinheiro! Estão precisando de reciclagem.

    3. O plano de recuperação judicial pode dar certo, porém também considero um exagero, pelo menos na forma como foi colocado, a tal cidade universitária. Poderiam ter dividido este projeto em duas etapas. Na primeira a proposta de uma universidade com possibilidade de mais tarde se transformar numa cidade universitária, com dormitórios e etc.

    4. Por que não incluíram no plano os outros imóveis da instituição.

    Alguém poderia me explicar melhor estas questões?

    ResponderExcluir
  7. Olá amigo.

    Só é apresentado bens conforme o PLANO oferecido aos credores e eles deverão aprovar ou não. Não precisa apresentar todos. Portanto, muitos bens certamente não colocarão em público, mas têm que cumprir o PLANO quando o juiz conceder a APLICAÇÃO DO PLANO, e terão DOIS anos da publicação da CONCESSÃO (DECISÃO JUDICIAL) da APLICAÇÃO. Se não cumprir em DOIS anos o juiz decretará a FALÊNCIA.

    APLICAÇÃO DO PLANO é conforme foi apresentado aos credores e é um CONTRATO entre as partes, pois esse PLANO é um vínculo obrigacional entre as partes.

    Se os credores não aprovassem seria convocada uma ASSEMBLEIA GERAL DE CREDORES para que houvesse discussão sobre isso, mas por enquanto os credores CONCORDARAM, e assim, ultrapassando o prazo legal, o juiz decidirá pela APLICAÇÃO no prazo da lei de DOIS ANOS a contar do primeiro dia útil da publicação em edital (D.O.)da concessão.

    Abraço e qualquer coisa estarei aqui.

    ResponderExcluir

O BLOG É MODERADO.

TODOS SÃO BEM-VINDOS !

Professor Brasileiro